Rádio Coração FM 93.9
Quilombo/SC
Min.
Máx.
Bolsonaro diverge de Guedes sobre Previdência e nomeia só homens para transição até agora
06/11/2018

Jair Bolsonaro (PSL) mostrou, mais uma vez, não ter constrangimento em desautorizar seu futuro superministro da Economia, Paulo Guedes. Se na campanha ele dizia que Guedes era seu guia e "Posto Ipiranga" com respostas para os dilemas em matéria econômica, o presidente eleito disse nesta segunda-feira na TV "desconfiar" da proposta de seu auxiliar para a reforma da Previdência, que prevê uma mudança do modelo atual para um sistema de poupanças individuais para os futuros aposentados. Na longa conversa, ao vivo, com o apresentador José Luiz Datena, da TV Bandeirantes, o futuro mandatário aplicou a estratégia de ser o calibrador e multiplicador, em várias direções, das mensagens do futuro governo. O presidente eleito sugeriu fazer "alguma" mudança no sistema de aposentadorias "sem colocar em risco e sem levar pânico à sociedade” e descartando mudanças profundas para categorias que lhe são próximas, como militares e policiais. Disse ainda que deseja que alguma proposta seja aprovada ainda neste ano –algo considerado remoto pelo Congresso que está de saída– ou no começo do ano que vem.

"Nós não queremos salvar o Estado quebrando o cidadão brasileiro", afirmou Bolsonaro. O eleito negava assim mais uma vez a proposta ventilada na imprensa e atribuída a seu auxiliares de recriar uma CPMF, tributo sobre movimentações financeiras, como um dos caminhos para mitigar a grave crise das contas públicas. O futuro mandatário também questionou a metodologia do IBGE para medir o desemprego –algo alinhado com padrões globais da área– e falou até que Guedes vai conduzir "renegociações" da dívida interna.

Transição só com homens, nenhuma demarcação indígena

Se na parte econômica as declarações provocam dúvidas se o futuro mandatário entregará a guinada liberal prometida com a nomeação de Guedes, em outras matérias, o presidente eleito repetiu à risca a cartilha de extrema direita. Voltou a defender que policiais e pessoas comuns possam matar até para defender o patrimônio e disse que, em seu Governo, não haverá mais demarcação de terras indígenas, apesar de esse ser um passo previsto na Constituição.

Enquanto isso, em Brasília, o coordenador da transição e futuro ministro da Casa Civil, o deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM), se utilizou da estratégia de liberar informações à conta-gotas para sinalizar que a equipe de transição do futuro governo deverá cortar 13 dos 29 ministérios hoje existentes no Brasil. A relação exata das 16 pastas sobreviventes ainda não foi divulgada. Nesta segunda-feira parte da equipe se reuniu pela primeira vez em Brasília, durante início oficial dos trabalhos. Serão ao todo 27 nomes –todos homens– que começarão a atuar nessa troca de bastão e na criação de dez grupos técnicos para o planejamento do Governo.

Antes desta segunda, apenas Lorenzoni havia sido oficializado. Conforme esse desenho inicial, em princípio, os ministérios de Agricultura e de Meio ambiente deverão ser fundidos. Um desses grupos de trabalho foi batizado de “produção sustentável, agricultura e meio ambiente”. Analisando as outras equipes setoriais, ainda é possível concluir que, os ministérios dos Esportes e da Cultura serão anexados pela Educação, o de Desenvolvimento Social se juntaria à Saúde e a confirmação de que a Segurança Pública e a Transparência seguem para o guarda-chuva da pasta da Justiça. Esta última a ser comandada pelo juiz Sérgio Moro, o juiz  Operação Lava Jato que desistiu da magistratura para aceitar o cargo político.

Até o momento os dois principais empecilhos de Bolsonaro na redução de sua Esplanada dos Ministérios estão no Meio Ambiente e na pasta de Desenvolvimento, Indústria e Comércio. Ele já deu declarações no sentido de unir esses órgãos com outros e depois voltou atrás. Nesta semana, um grupo de dez associações de industriais levou uma sugestão a Lorenzoni para que, ao invés de unir a pasta de Indústria à da Fazenda, Bolsonaro poderia juntá-la ao ministério do Trabalho. A ideia deles é criar a pasta de Produção, Trabalho e Comércio. Seu temor é o de perder a interlocução com o governo federal.

Com relação ao Meio Ambiente, o futuro governo de Bolsonaro ouve críticas de todos os lados. De ambientalistas e de ruralistas. Ainda assim, não anunciou qual será sua decisão. A expectativa é que ao longo desta semana ele anuncie ao menos mais um ou dois ministros, assim como o número total de seus ministérios.

Visita a Brasília e declaração de Moro

Na terça-feira, o presidente eleito retorna pela primeira vez à Brasília para participar da solenidade do Congresso Nacional em alusão aos 30 anos da Constituição Federal. No dia seguinte, reúne-se com o presidente Michel Temer(MDB) e deve fazer um pronunciamento na sequência. “Estamos na fase do muito trabalho e pouca conversa”, repetiu o seu mantra o deputado Lorenzoni. Moro, por sua vez, convocou os jornalistas e deve falar em Curitiba: trata-se de uma aguardada fala pública já que se especula que o juiz pode não endossar as propostas mais radicais de Bolsonaro, como licença para matar sem punição dada a policiais. Ao Datena, Bolsonaro disse que o juiz só terá que chegar a um "meio termo" sobre algumas propostas.

Até o momento, além do futuro chefe da Casa Civil e de Sérgio Moro, foram definidos como ministros o general Augusto Heleno (Defesa), o astronauta Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia) e Paulo Guedes (Economia). Um dos próximos a ser anunciados deve ser o ministro da Infraestrutura. O principal nome para a função é do general Oswaldo Ferreira, que já coordenava os trabalhos prévios desta área.

A LISTA DA TRANSIÇÃO

Até o momento, 28 nomes foram apontados como membros do grupo de transição. São eles:

Abraham Bragança De Vasconcellos Weintraub;

Adolfo Sachsida;

Alexandre Xavier Ywata De Carvalho;

Antônio Flávio Testa;

Arthur Bragança De Vasconcellos Weintraub;

Augusto Heleno Ribeiro Pereira - futuro ministro da Defesa;

Bruno Eustáquio Ferreira Castro De Carvalho;

Carlos Alexandre Jorge Da Costa;

Carlos Von Doellinger;

Eduardo Chaves Vieira;

Gulliem Charles Bezerra Lemos;

Gustavo Bebianno Rocha;

Ismael Nobre;

Jonathas Assunção Salvador Nery De Castro;

Luciano Irineu De Castro Filho;

Luiz Tadeu Vilela Blumm;

Marcos Aurélio Carvalho;

Marcos César Pontes - futuro ministro de Ciência e Tecnologia;

Marcos Cintra Cavalcanti De Albuquerque;

Onyx Lorenzoni - futuro ministro da Casa Civil;

Pablo Antônio Fernando Tatim Dos Santos;

Paulo Antônio Spencer Uebel;

Paulo Roberto Nunes Guedes - futuro ministro da Economia;

Paulo Roberto;

Roberto Da Cunha Castello Branco;

Sérgio Augusto De Queiroz;

Waldemar Gonçalves Ortunho Junior;

Waldery Rodrigues Junior.

 

 

Fonte: El País
Madrugada Coração
00:00 as 06:00
Publicidade
Peça a sua música!
Envie seu Pedido Musical preenchendo todos os dados abaixo:
Atendimento
Avenida Primo Alberto Bodanese, 608 - Quilombo/SC
Ligue agora
(49) 3346-3308
Horário de atendimento
Comercial